Se você está procurando sugestões de bons títulos ficcionais, confira a seleção de livros premiados que a Universia Brasil  compartilho...


Se você está procurando sugestões de bons títulos ficcionais, confira a seleção de livros premiados que a Universia Brasil  compartilhou abaixo:


Wolf Hall – Hilary Mantel

Para os amantes de ficção histórica, esse livro é uma ótima pedida. Sua trama se passa no reinado de Henrique VIII, na Inglaterra, e narra as turbulentas disputas por poder dentro da corte, sob a perspectiva de Thomas Cromwell, ambicioso conselheiro do rei.
Sinopse:

"A Inglaterra da década de 1520 está a um passo do desastre. Sem herdeiros, Henrique VIII deseja anular seu casamento e desposar Ana Bolena, salvando assim o país da guerra civil. Porém, a saga em busca da liberdade do rei destrói seu conselheiro, o brilhante Cardeal Wolsey, e deixa um vácuo de poder. É nesse cenário conturbado que Thomas Cromwell, gênio político e sedutor, rompe todas as regras de uma sociedade rígida em sua ascensão ao poder, e se prepara para quebrar outras mais. Confrontando o parlamento, as instituições políticas e o papado, ele está pronto para remodelar a Inglaterra segundo seus próprios desejos e os do rei, mas sabe que um único erro seu pode significar a morte.

- Vencedor do Man Booker Prize 2009."



A Visita Cruel do Tempo - Jennifer Egan

Como o próprio título diz, esse é um romance que trabalha as relações humanas no tempo. A trama em si narra a relação complexa de personagens no mundo da música – em especial, o executivo Bennie Salazar - tendo a tecnologia e a linguagem como nós importantes da história, que começa em 1970 na cidade de São Francisco até chegar em 2020, em Nova York. Neste intervalo tão grande, é possível perceber também as mudanças culturais que ocorreram nos EUA e, principalmente, elaborar uma reflexão sobre o papel do amadurecimento em nossas vidas.


Sinopse:
"Bennie Salazar é um executivo da indústria fonográfica. Sasha é sua assistente cleptomaníaca. E é a partir da história desses dois personagens que Jennifer Egan retrata, em uma narrativa caleidoscópica, a passagem do tempo e a transformação das relações. Da São Francisco dos anos 1970 até a Nova York de um futuro próximo, a autora cria um romance de estilo ímpar sobre continuidade e rupturas, memória e expectativas. Surpreendente, A visita cruel do tempo combina diferentes pontos de vista sobre histórias que se entrelaçam de maneiras inesperadas. Ao longo dos sabores e dissabores da vida dos personagens, Egan traça um interessante e envolvente panorama sobre crescimento,

perda e ambição e sobre o que acontece entre o que esperamos de nossa vida e o que se torna realidade."




Brooklyn Sem Pai Nem Mãe - Jonathan Lethem

Pertencente ao gênero da ficção policial, esse livro se destaca das tradicionais obras da categoria por seu inusitado personagem principal, Lionel Essrog, um órfão portador da síndrome de Tourette, doença que o faz tocar as pessoas compulsivamente e, ao mesmo tempo, não consegue refrear seus impulsos e acaba dizendo coisas impensadas. Mesmo com todas essas dificuldades, caberá a Lionel desvendar o assassinato de Frank Minna – mafioso que o acolheu e ofereceu trabalho, a única pessoa que o reconhecia como família.


Sinopse:
"A Síndrome de Tourette de Lionel Essrog faz com que ele toque pessoas e objetos de modo compulsivo, distribua tapinhas nos ombros de mafiosos ou nas nádegas de distintas senhoras e vocifere palavrões durante uma reunião de meditação zen-budista. Esse é o narrador e personagem principal deste livro, um romance policial divertido e comovente.



Criado num orfanato, Lionel Essrog cresceu hostilizado pelos companheiros. Ninguém entende seu comportamento sui generis, até que Frank Minna, um pequeno mafioso do Brooklyn, tira-o do orfanato e lhe oferece trabalho numa empresa de táxi que serve de fachada para uma agência de detetives, que por sua vez serve de cobertura sabe-se lá para que negócios escusos. O idílio de Lionel com a existência termina com o misterioso assassinato de Minna. Reconduzido à solidão, lutando contra as urgências da sua Tourette, ele tenta descobrir o autor da morte da única pessoa que o compreendeu - Minna, que o chamava de Show de Aberrações Humanas. Este livro trouxe um novo fôlego à ficção policial."




O Amor de Uma Boa Mulher – Alice Munro

Escrito em 1998, este é mais um romance que lida com épocas passadas, porém, desta vez, os contos escritos por Alice Munro se passam nos anos 50 e têm como plano de fundo o universo feminino. A cada história, a autora narra os dilemas de suas personagens, incluindo no contexto o machismo, a libertação da mulher e sua entrada para o mercado de trabalho e muitos outros dilemas enfrentados pelas mulheres. Justamente por retratar uma sociedade tão distinta da atual, o livro revela as semelhanças e os impasses que ainda hoje persistem.


Sinopse:
"Em 'O amor de uma boa mulher', Alice Munro oferece ao leitor mais uma fornada de seus contos de fôlego, marcados pela destreza dos planos cinematográficos e pelo olhar duplo, ao mesmo tempo panorâmico e intimista. A canadense fez das pequenas cidades espalhadas pelo condado de Huron o território privilegiado de sua ficção e detecta nas franjas do meio rural aqueles indivíduos de algum modo deslocados da norma. A velhice, a doença, o transtorno mental ou a simples diferença com relação à maioria pontuam os textos. Em Munro, há uma intuição de que a condição feminina se conecta por vários caminhos com a marginalidade. Uma personagem do conto 'Jacarta' sobrevive dando aulas de ballet depois que o marido jornalista supostamente morre num país distante; a protagonista de 'Ilha de Cortes' deseja ser escritora, mas fracassa; Pauline, a jovem mãe de 'As crianças ficam', tem uma aparência peculiar que a faz ser convidada para interpretar o papel de Eurídice numa montagem teatral amadora, experiência que irá transformar a sua vida. Retrocedendo da atualidade à década de 1950, as narrativas flagram um período em que, para as mulheres, o trabalho muitas vezes servia apenas como um intervalo entre o casamento e a chegada do primeiro filho. Na verdade, tratava-se de um hiato particularmente propício ao desconforto, pois aqueles foram os anos que precederam a Revolução Sexual. A posição gauche dessas mulheres as aproxima de zonas mentais obscuras, colocando-as em xeque diante da vida social. É como se a precisão do roteiro traçado para os homens se opusessem à precariedade e à deriva dos destinos femininos."



A Fantástica Vida Breve de Oscar Wao – Junot Diaz

Embora seja ficcional, este livro faz críticas ao contexto atual, abordando a vida dos imigrantes latinos que vivem nos EUA de forma inovadora. O fio condutor da história é a vida de Oscar Wao, jovem escritor apaixonado pela cultura nerd, que vê seu trabalho ser sucessivamente recusado. Para completar, Oscar ainda sofre com o bullying causado por sua obesidade e sonha em se apaixonar, mas é mal sucedido no campo amoroso. Toda essa corrente de azar, em sua opinião, é fruto da maldição que se abateu sobre a família enquanto ainda morava na República Dominicana, o que elabora um quadro interessante de conflito entre as raízes latinas – fortemente marcadas nos imigrantes – e a dificuldade de se adaptar a uma nova realidade.

Sinopse:

"A vida nunca foi fácil para Oscar. Nerd, dócil e terrivelmente obeso, morador do gueto de Nova Jersey, ele sonha em se tornar o Tolkien dominicano e, sobretudo, em encontrar um grande amor. No entanto, é possível que nunca realize seus desejos, graças ao fukú - uma antiga maldição que assola a família de Oscar há gerações, condenando seus parentes a prisões, torturas, acidentes trágicos e, acima de tudo, a paixões malfadadas. Oscar, que ainda anseia pelo primeiro beijo, é sua vítima mais recente - até o verão fatídico que ele decide tornar o seu último."

Fontes:





Você pode gostar

Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário: